Você está em Material de apoio

Escolas de xadrez

Na primeira vez que o mundo viu o jogo de xadrez, não se tinha estratégias, táticas e lances formados, ou seja, nada havia um padrão de movimentos, nenhuma jogada que fosse específica para se chegar ao fim do jogo.

Os oponentes apenas conheciam os movimentos de cada peça e iam fazendo os movimentos da maneira que achavam melhor, visando, claro, sempre dar o xeque-mate.

Entretanto, em meados do século XV várias ideias de como jogar xadrez foram aparecendo, e muitas delas tornaram-se verdadeiras escolas para os jogadores, ou seja, tais ideias começaram a ser seguidas por milhares de

Ao longo dos anos várias ideias diferentes foram surgindo, criando-se assim várias escolas que serviram de inspiração para diversos enxadristas no mundo inteiro.

Confira abaixo as principais escolas que apareceram ao longo do tempo:

Escola arcaica

Nesse período, o xadrez está iniciando no mundo, não havendo ainda muitas informações sobre ideias, táticas e estratégias para o jogo. Por esses motivos, pela falta de criatividade, a escola arcaica fica conhecida como a escola com pobreza de ideias. O precursor desta escola é Ruy López, no início do século XV.

Escola clássica

É uma escola muito técnica e de pensamentos enxadrísticos interessantes, pois sua principal filosofia é a vantagem estática que se consegue durante o jogo, ou seja, ter o controle de determinadas áreas do jogo.

Como exemplo, temos o controle do centro por peões, não deixar com que os peões fiquem expostos a ponto de serem capturados, dentre outras jogadas clássicas dessa escola, envolvendo bispos e cavalos. Entretanto, o astro dessa escola é mesmo o peão, e a cilada é a principal arma que um jogador da Escola Clássica vai usar para vencer seu oponente. O homem que trouxe ao mundo do Xadrez a Escola Clássica foi o francês Philidor.

Escola romântica

Essa é uma escola onde aparece um pouco da “violência” do Xadrez, a principal característica são os constantes ataques ao rei, fazendo-se valer de sacrifícios das próprias peças para conseguir melhores posicionamentos, e chegar ao tão esperado xeque-mate. Os precursores dessa Escola são Evans e Adolf Anderssen.

Escola do desenvolvimento

Nessa escola é evidente o uso das colunas e das diagonais, fazendo com que o jogador tenha mais facilidade em lidar com o bispo e a torre. Foi pelas mãos de Paul Muphy que esta escola se tornou tão importante, ajudando a dar um passo muito grande para o xadrez no mundo todo.

Escola moderna posicional

Nessa escola as coisas mudam bastante, durante o jogo, o objetivo primário do jogador deixa de ser o rei, e sim, as peças ao redor. Eliminar bispos, torres, peões e a rainha passa a ser mais importante, o rei é deixado por último. Steinitz foi o responsável por introduzir essa prática no jogo.

Escola moderna científica

Para essa escola Tarrasch levou as mesmas ideias da Escola Moderna Posicional de Steinitz, porém, com suavez diferenças. A filosofia dessa escola sugere que o jogo seja mais lento, o jogador obtem pequenas vantagens ao longo da partida, entretanto, a vitória é segura.

Escola moderna psicológica

Paralelamente a Tarrasch, outro propulsor da Escola Posicionista Emanuel Lasker, implantou um jogo do tipo psicológico baseado no estudo do adversário para realizar dentro do jogo de posição, não a jogada melhor, senão aquela jogada ocasional que mais possa incomodar o oponente, com o que conseguiu magníficas vitórias.

Como referenciar: "Escolas de xadrez" em Só Xadrez. Virtuous Tecnologia da Informação, 2013-2019. Consultado em 16/11/2019 às 23:53. Disponível na Internet em http://www.soxadrez.com.br/conteudos/escolas_xadrez/index.php