Objetivo
 Tabuleiro e Peças
 Movimentos
 Mov. Extraordinários
 Fases do Jogo

 História do Xadrez
 Dicas
 Escolas de Xadrez
 Enxadristas Famosos
 Glossário

 Modalidades de Xadrez
 Variantes
   Chaturanga
   Shatranj
   Xadrez Bizantino
   Xadrez Capablanca
   Grande Acedrex
   Jogo de Gala

 Fund. da estratégia
 Fund. da tática

 Notação algébrica
 Notação descritiva
 Notação numérica
 Notação Forsyth

 Partidas Analisadas
 Organizações
 Campeões Mundiais
 Eventos
 Títulos
 Biblioteca de Xadrez
 Curiosidades
 Fotos Históricas
 Papéis de Parede
 Vídeos
 Filmes
 Mitos
 Laifis de Xadrez
 Fale Conosco

 


 

 

Henrique da Costa Mecking

Há alguns anos a FIDE publicou em uma reportagem em seu site que, dizia que Henrique da Costa Mecking era o melhor enxadrista que o Brasil havia produzido, devido a sua competitividade e audácia em realizar jogadas que deixavam seus adversários desconcertados.

Durante a sua juvente, devido aos altos índices de vitórias e jogadas incríveis, ele foi comparado a grandes ídolos, tais como o norte-americano Bobby Fischer e o russo Garry Kasparov.

Mecking viveu em um ambiente onde era propício saber jogar xadrez, seu pai jogava, e ele, então, enquanto criança decidiu começar a praticar. Logo aos 13 anos de idade ele foi campeão brasileiro absoluto, no fim do ano de 1965.

Mequinho, comp é carinhosamente conhecido, conquistou o título sul-americano no ano seguinte e, quando completou 15 anos, bateu dois recordes de peso: foi o mais jovem jogador a vencer um campeonato continental e, de quebra, tornou-se, naquela época, o mais jovem mestre internacional da história do xadrez.

O inícios dos anos 70 para ele foram o máximo, pois em 1972 Mequinho garante o título de Grande Mestre Internacional, sendo um dos primeiros brasileiros a atingirem esse nível de xadrez.

Eis então que, em 1978 um grande golpe atinge a vida do enxadrista, um problema sério de saúde o obriga a interromper sua carreira por um tempo, sua doença comprometia seriamente o sistema nervoso e os músculos de uma forma geral. Mequinho tentou um retorno em 1991, mas após perder duas vezes ele decidiu parar por tempo indeterminado. Sua volta acontece 9 anos depois, em 2000, em uma disputa contra o atual tricampeão nacional da época, Giovanni Vescovi.

Mequinho mostra que é ainda um jogador de muita força, apesar de dedicar a maior parte de seu tempo à sua fé religiosa. Uma prova disso foi em 2001, no Magistral Najdorf - Argentina, ter empatado com Judit Polgar, a maior enxadrista da história, e também com o seu antigo adversário Viktor Korchnoi.

Atualmente Mequinho é o número 5 do Brasil, com uma pontuação de 2548 no rating FIDE de janeiro de 2010.

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Fale Conosco

Copyright © 2013-2017 Só Xadrez. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.