Objetivo
 Tabuleiro e Peças
 Movimentos
 Mov. Extraordinários
 Fases do Jogo

 História do Xadrez
 Dicas
 Escolas de Xadrez
 Enxadristas Famosos
 Glossário

 Modalidades de Xadrez
 Variantes
   Chaturanga
   Shatranj
   Xadrez Bizantino
   Xadrez Capablanca
   Grande Acedrex
   Jogo de Gala

 Fund. da estratégia
 Fund. da tática

 Notação algébrica
 Notação descritiva
 Notação numérica
 Notação Forsyth

 Partidas Analisadas
 Organizações
 Campeões Mundiais
 Eventos
 Títulos
 Biblioteca de Xadrez
 Curiosidades
 Fotos Históricas
 Papéis de Parede
 Vídeos
 Filmes
 Mitos
 Laifis de Xadrez
 Fale Conosco

 


 

 

Mikhail Tal

No inícios dos anos 60, o mundo estava conhecendo o seu mais novo campeão mundial, Mikhail Tal, um habilidoso enxadrista que estava rumando pra grandes voos no mundo do xadrez profissional.

Ele foi conquistando importantes vitórias usando uma arma que ainda hoje é muito difícil para muitos enxadristas usarem. Ele tinha a capacidade fazer cálculos e memorizações surpreendentes, além de exibir algumas posições um tanto estranhas de suas peças.

Com muita facilidade ele conquistou o Campeonato Mundial dos anos 1960 e 1961.

Antes de ser consagrado como um autêntico campeão do mundo, Mikhail Tal teve um caminho árduo a ser percorrido. Conquistou os títulos do Campeonato Nacional de Xadrez da União Soviética dos anos de 1957 e 1958.

No Torneio Interzonal e no Torneio de Candidatos ele conseguiu levar os espectadores a loucura, fazendo movimentos precisos, com uma confiança jamais vista na época. Porém, no Torneio de Candidatos ele não conseguiu vencer, seu adversário Botvinnik teve uma vitória no último match, o que causou um forte impacto em todos na torcida.

Anos mais tarde foi constatado que durante toda a carreira de Tal, uma séria doença crônica nos seus rins o prejudicou de participar de eventos importantes. Mas jamais foi ouvida qualquer reclamação da parte dele.

Seu apetite pelo xadrez excede o de qualquer outro grande-mestre. Fazia análises post-mortem, relatos para a imprensa, registrava suas partidas e - entre um torneio e outro - jogava xadrez relâmpago em partidas de cinco minutos para cada jogador. Sua reputação de vencer mesmo em posições delicadas aliada ao olhar hipnótico fixado no adversário fizeram o grande-mestre norte-americano Paul Benko usar óculos escuros para jogar com Tal num Torneio de Candidatos.

Se as brilhantes combinações de Tal são aprendidas com dificuldades por um mestre de grande porte, imagine, então, por um jogador comum. Contudo, seu jogo oferece algumas lições de proveito: primeiro, conduzir a partida para posições obscuras desequilibra muitos adversários, e um ataque com sacrifício, em tais circunstâncias, pode funcionar, mesmo sem um objetivo sensato; em segundo lugar, assim como com Alekhine, a competitividade é de extrema importância; em terceiro, a prática e o teste de variantes no xadrez relâmpago, desprezado por alguns mestres, é um método seguro e compensador de treino para grandes eventos.

 

 

 

 

 

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Fale Conosco

Copyright © 2013-2017 Só Xadrez. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.