Objetivo
 Tabuleiro e Peças
 Movimentos
 Mov. Extraordinários
 Fases do Jogo

 História do Xadrez
 Dicas
 Escolas de Xadrez
 Enxadristas Famosos
 Glossário

 Modalidades de Xadrez
 Variantes
   Chaturanga
   Shatranj
   Xadrez Bizantino
   Xadrez Capablanca
   Grande Acedrex
   Jogo de Gala

 Fund. da estratégia
 Fund. da tática

 Notação algébrica
 Notação descritiva
 Notação numérica
 Notação Forsyth

 Partidas Analisadas
 Organizações
 Campeões Mundiais
 Eventos
 Títulos
 Biblioteca de Xadrez
 Curiosidades
 Fotos Históricas
 Papéis de Parede
 Vídeos
 Filmes
 Mitos
 Laifis de Xadrez
 Fale Conosco

 


 

 

Alexander Alekhine

Em se tratar de tática, Alexander Alekhine é um dos enxadristas mais lembrados entre os praticantes do Xadrez. Com táticas que deixavam seus adversários sem saber o que fazer, Alexander tornou-se um ícone do Xadrez entre os anos de 1930 e 1934, quando ganhava praticamente tudo que disputava. Alguns estudiosos de tática dizem que ele só não foi melhor do que Bob Fischer.

Alexander tornou-se um dos maiores grandes mestres que o mundo já viu , tendo vencido o lendário Capablanca. Estudiosos dizem que quando Alexander entrava numa disputa, se ele estivesse 100% confiante, ninguém o venceria, e de fato, era praticamente impossível vencê-lo quando ele atingiu seu auge.

Alexander teve grande êxito quando participou de dois torneios em especial, San Remo e Bled, em 1930 e 1931 respectivamente. Em San Remo ele terminou o jogo com 3,5 pontos a frente de seu oponente, o que já foi considerado um feito inacreditável, pois na época seu adversário era campeão mundial de Xadrez. Pois bem, Alexander não parou por aí, um ano mais tarde ele derrotou Flohr, um exuberante enxadrista que dizimava enxadristas principiantes, Alexander não só venceu, como terminou o jogo com 5,5 pontos a frente do temível Flohr, um feito que nunca havia sido sequer pensado que poderia ser feito.

Paralelamente ao Xadrez, Alexander ficou conhecido por dar colaboração aos nazistas na Segunda Guerra Mundial, e por começar um consumo em excessivo de bebidas alcoólicas.

Alexander nasceu em Moscou, de uma família rica e aristocrata. Seu irmão mais velho, Aleksei, também era enxadrista e, como não era permitido a garotos freqüentar os clubes de xadrez da época, ambos desenvolveram seu talento com o xadrez postal. Alekhine não era um prodígio como Morphy e Capablanca, mas seu desempenho evoluiu rapidamente durante a adolescência e, aos quinze anos, já derrotava alguns mestres. Em 1914, tornou-se o terceiro, depois de Lasker e Capablanca, no grande torneio de São Petersburgo, mas então vieram a guerra e a revolução. Venceu o Campeonato Soviético em 1920 e depois partiu para o Ocidente, tornando-se cidadão francês.

Dizem que Alekhine esperava jogar com Capablanca desde 1914 e antes mesmo de Capa enfrentar Lasker. O carisma de Alekhine vinha de suas táticas lógicas porém ousadas que se baseavam freqüentemente no desenvolvimento lento do adversário. Suas anotações lúcidas e articuladas e sua personalidade impulsiva eram o contraponto perfeito à elegância despreocupada de Capablanca. Foi particularmente severo com estrategistas convencionais como Rubinstein e Tarrasch.

0 último grande sucesso de Alekhine em sua melhor fase foi em Zurique, 1934, após o qual seus resultados tornaram-se um tanto apagados. Seu problema de alcoolismo acentuou-se e afetou seu jogo e seu comportamento durante a inesperada perda do título mundial para Euwe, em 1935. Chocado pela derrota, entrou num treinamento rigoroso e abstêmio e recuperou o título dois anos depois.

Alekhine ainda era um adversário difícil para qualquer um. Botvinnik descreveu como, em Nottingham, 1936, quando em posições complexas, ele se levantava - depois de executar seu lance - e começava a rodar em volta da mesa como uma pandorga. Jogando contra Botvinnik, manteve sua "imitação de pandorga" por vinte minutos, enquanto este lutava interiormente para escapar à pressão psicológica. Era uma partida vital para ambos, a primeira entre o então campeão soviético e o russo "branco" que emigrara.

Em seus últimos anos, Alekhine foi um dos principais participantes dos torneios nazistas da guerra e uma série de artigos anti-semitas foi publicada sob seu nome. Seu jogo deteriorou ainda mais depois de 1943. Quando, em 1946, aceitou um desafio pelo título de Botvinnik, poucos achavam que ele tinha alguma chance; mas, enquanto se preparava para a decisão, Alekhine morreu repentinamente em Lisboa.

Jogou em 87 torneios em sua vida, dos quais venceu 62 - um recorde; depois de 1912 ele só ficou uma vez em Nottingham, 1936 - fora dos quatro primeiros lugares. Se você gosta do xadrez tático e também de estratégias e jogos posicionais, Alekhine é um excelente modelo de como jogar xadrez.

 

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Fale Conosco

Copyright © 2013-2017 Só Xadrez. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.